Salvador, 19 de April de 2021
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Comissão de Anistia quer ir além das reparações econômicas. Por Brunna Rosa
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cultura
Seg, 25 de Fevereiro de 2008 04:15
A comissão de Anistia do Ministério da Justiça lança nesta quinta-feira, 21, o projeto Anistia Cultural. O objetivo é dar um caráter cultural e pedagógico às ações da comissão e divulgá-las entre estudantes universitários e servidores da pasta.  Para inaugurar o projeto, foi convidado o dominicano Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto. Ele relembrará a importância da luta empreendida por setores da sociedade pela volta da democracia no período da ditadura militar.
  
 A palestra de Frei Betto será apenas a primeira do projeto. Ao longo do ano, estão previstas mostras de filmes, charges e fotografias, além de debates com pessoas que vivenciaram a ditadura. Em entrevista Fórum, o presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão Pires Júnior, fala sobre o lançamento da Anistia Cultural e sobre as outras atividades da Comissão.
 
 
 Fórum - Como funcionará o projeto Anistia Cultural?
 Paulo Abrão Pires Júnior -
O projeto Anistia Cultural compõe várias atividades que estamos inaugurando na comissão de Anistia. A função primordial é resgatar e apresentar a sociedade, sobretudo aos jovens, o regime autoritário que o Brasil sofreu e principalmente como alguns nomes tomaram de golpe o Estado e, por uma ideologia que nunca teve respaldo pelo crivo democrático do pais, perseguiram, torturaram e mataram. A comissão da Anistia não pode se limitar ao dever intrínseco de simplesmente julgar os requerimentos dos perseguidos políticos de 1964 a 1988, é preciso levar ao público a verdade histórica, como processo de reparação histórica aos que foram presos e prejudicados.
 
 Fórum - Quais são as atividades previstas?
 Paulo Abrão -
Está previsto o projeto educativo da comissão, com nove ações diferentes. A Caravana da anistia, que vamos iniciar em abril, realizando sessões reais de julgamento nas cidades brasileiras. Vamos sair das quatro paredes do Ministério e ir para as cidades, junto a suas comunidades, afinal foi lá que os ex-presos e ex-perseguidos, foram execrados e tiveram suas dignidades feridas. Outra ação do projeto educativo é a confecção de material didático voltado a juventude, para que ela possa conhecer o passado para construir o futuro.
 
 Fórum - E quanto às atividades da Anistia Cultural?
 Paulo Abrão -
São dois eixos. Um ciclo de debate com atividades mensais temáticas do período de repressão, crivadas em processos de pessoas que resistiram ao regime e encontram seus processos na comissão para serem julgados. Como o papel das mulheres no regime militar, que terá uma sessão especial de julgamentos de mulheres que resistiram a ditadura, o papel da repressão militar no campo, as ligas camponeses e os anos de chumbo. Depois pretendemos falar dos estudantes sobre o papel da resistência, o papel da Igreja na democracia, a Teologia da Libertação e sua influência na redemocratização. Além disso, haverá mostras culturais semestrais de fotografia, filmes, charges, entre outras, conectadas às Caravanas de Anistia.
 
 Fórum - As atividades já têm data definida?
 Paulo Abrão -
Ainda não temos data exata. Em abril, provavelmente dia 4, na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), vamos julgar processo de jornalistas perseguidos pela ditadura e comemorar o Centenário ABI. Em março, nossa intenção é realizar o julgamento das mulheres que resistiram a ditadura, como forma comemorativa do dia internacional da mulher.
 
 Fórum - A comissão de Anistia está adotando um processo que se assemelha ao de constituição da verdade e da justiça na África do Sul?
 Paulo Abrão -
São processos diferentes, embora com objetivos comuns. A finalidade é a mesma: não deixar que o passado fique escondido e trazer à tona a história real. Na comissão de verdade, instituída na África do Sul, os militares opressores vão até a comissão e revelam as informações que têm. A partir disso, da confissão de seus crimes, o anistiam. No Brasil foi diferente, em 1979, os militares se auto-anistiaram. Quanto à reparação econômica aos perseguidos políticos, a finalidade não é apenas econômica é transformar o processo em aprendizado.
 
 Fórum - Este ano completam-se 40 anos do Ato Institucional nº 5. Está previsto algum encontro nacional que discuta a questão?
 Paulo Abrão -
Por enquanto não. Em agosto acontecerá, provavelmente em Brasília, o encontro nacional de ex-presos e perseguidos políticos, com organização e iniciativa autônoma, a partir das próprias associações. Quanto a comissão, estamos organizando para que aconteça em agosto, no Rio de Janeiro, um seminário internacional sobre sistemas de repressão e reparação na América Latina. A finalidade é promover uma integração dos países quanto à formas e formatos das reparações econômicas e históricas.

Brunna Rosa

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.374Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.355Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.140Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.082Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.251Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.026Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?