Salvador, 23 de novembro de 2017
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Dançando no velório: as fantasias da mídia econômica por André Araújo
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Economia
Qua, 13 de Setembro de 2017 10:12

 

Andre-AraujoUm organização religiosa benemerente organizou em um shopping do Rio de Janeiro um feirão de empregos. Os promotores conseguiram  duzentas vagas de empregos simples, atendentes de telemarketing, motorisras etc e anunciaram que distribuiriam 400 senhas para candidatos a empregos serem entrevistados, tudo ocorreu no ultimo mês de Agosto.

Desde a noite anterior milhares de pessoas dormiram na fila para pegar as senhas, as entrevistas da Globonews mostraram  gente em um nível de desespero que não me lembro ter visto antes no Brasil. Alguns pediram dinheiro a vizinhos para pagar passagem de ônibus para tentar ao menos ser entrevistados, os que não conseguiram sequer a oportunidade de uma entrevista estampavam nos rostos e nas falas o desespero final de um futuro terrível.

Essa singular amostragem revelou o grau explosivo do tecido social brasileiro.

Mas a mídia econômica “mainstream” Globonews, Jovem Pan, Band News continua sua alucinada aposta no “fim da recessão” porque no segundo trimestre de 2017 o PIB cresceu 0,2%. É uma completa fuga da realidade. Um crescimento de 0,2% não é notável.

O fim de uma recessão de três anos se registraria após no mínimo de três semestres de escala firme de crescimento, um trimestre não significa nada, a oscilação mesmo dentro de um ciclo é normal, como um cardíaco tem oscilação de pressão no espaço de um dia.

Não é indicativo de recuperação incorporar empregos mal pagos do subemprego informal, tal  não alivia o desemprego, aliás estatísticas de desemprego que contam empregos informais impedem a comparação de séries históricas, emprego é algo tecnicamente definido como alguém registrado como empregado, aqui, na Alemanha ou na Índia. Guardador de carros não registrado como empregado no Brasil, na França ou no Canadá não move estatísticas de emprego. Contar biscateiros como empregados é um equivoco e serve para encorpar uma estatística que deveria ser se precisa para ter credibilidade, se qualquer auferição de renda pode ser passível contagem como emprego, deveríamos contar os pedintes e mendigos como empregados porque alguma renda eles auferem no mês, eles estão vivos, recebem de alguma forma ingresso de recursos para se alimentar.

O segundo trimestre de 2017 recebeu um enorme influxo de receitas da super safra agricola do ano, esse dinheiro recebido nas zonas rurais vaza para toda a economia, produzindo compra de veículos, máquinas, equipamentos de uso e domésticos, material de construção.

Essa massa de recursos entrou nos canais de consumo e por si só justificaria mais de 0,2% de crescimento do PIB, é um efeito sazonal que ainda se espalha para o terceiro trimestre.

Mas a mídia econômica não analisa, não contesta, não disseca ou debate tais eventos.

A mídia econômica brasileira é enviesada, surfa em um processo de manada repetindo e repercutindo bordões cuja central de disseminação são os “mercados’ com seus comentaristas papagaios, na imprensa eletrônica e impressa brasileira NÃO há nenhum espaço para discutir economia, todos atendem a sinais de torcida, o coro segue o maestro.

Outro dia numa das redes o prof. Carlos Langoni, ex-Presidente do Banco Central, deu uma entrevista cor de rosa da situação econômica, parecia que estava descrevendo a Suécia. Um extraordinário descolamento da realidade, um “wishfull thinking” de um mundo róseo para o Brasil de Meirelles e Goldfajn, é um cego descrevendo os Alpes suíços. Aliás, é interessante como ex-presidentes do Banco Central são maus analistas, não tem farol de milha e se perdem nas planilhas com frações decimais, parece que todos tem o mesmo fetiche com meta de inflação. Outro arauto da onda de prosperidade é o ex-Ministro Luis Carlos Mendonça de Barros que em um programa PAINEL do começo do ano disse que a economia iria tão bem em 2017 e 2018 que seria impossível Meirelles não ser o próximo Presidente da República.

Agora o mesmo Mendonça de Barros projeta um crescimento de PIB de 4% para 2018.

Porque não analisam a crucial questão do CRÉDITO ? Hoje os 4 maiores bancos  tem R$ 714 bilhões (1º semestre de 2017) em crédito à economia produtiva, 20% menos do que em 2015. Mas tem R$ 300 bilhões de EXCESSO DE CAPITAL que daria para suportar mais R$ 2 trilhões de crédito adicional à economia. A questão do CRÉDITO mereceria horas de analise nos programas CONTA CORRENTE e PAINEL da TV e nas analises de jornais. Nas colunas do jornal VALOR há maior analise mas não é mídia de massa, o problema está  nos comentaristas de TV, verdadeiros “entertainers” no nível dos programas de culinária.

Mas será que não tem senso critico, dúvidas, questionamentos, angulações diferentes um de outro? É impressionante como os papagaios da TV não têm dúvidas de espécie alguma, só certezas e visões fechadas, o prof. Afonso Celso Pastore dá aulas terminativas sobre o futuro, Langoni segue nesse linha, Loyola também tem a meta de inflação como totem mas a inflação cada vez mais baixa não será um sinal contrário, como em todo o mundo, de que a economia está fria? Quando há muita demanda, os preços sobem e não caem, isso já se sabia no Séc. XVI antes de se firmar um conhecimento chamado de ciência econômica, já se sabia isso por intuição desde os mercantilistas de Colbert, aquecimento puxa os preços para cima.

Quem vive de consultoria econômica, como os ex-presidentes de Banco Central e seus satélites precisa vender alguma perspectiva rósea porque se tudo for cinzento os clientes nem os contratam. Consultor precisa ser sempre otimista para dar esperança ao cliente pagador.

A marca da inteligência é a dúvida e não a adesão à primeira onda. Outro surfista do admirável mundo novo é o ministro da Fazenda, que já decretou o fim da recessão há vários trimestres, com ares de Grande Sacerdote do Templo, fala com ar solene que já estamos em um ciclo de crescimento, como se 0,2% fosse grande coisa após 8% de queda nos últimos três anos.

Os gurus da economia precisam operar com o pulso das ruas, mais do que com estatísticas.

O presidente do Banco Central, zelador do sistema financeiro, a última coisa que passa por sua cabeça é estimular a economia para amenizar o desemprego, o seu sonho eterno é a INFLAÇÃO ZERO, o sonho dos rentistas, inflação zero com juro real alto e dólar baixo, melhor que isso só morango com chantilly, dá para fazer duas temporadas europeias por ano e mais um cruzeiro no Caribe no verão, é o paraiso dos supersaláios da burocracia e dos rentistas da renda fixa.

Por um original cruzamento de variáveis politicas o Brasil chegou a esse ponto da curva como País em maior recessão por mais tempo entre todas as grandes economias. Um País rico em recursos naturais, que  se basta em alimentos e energia, levado a maior desesperança por comandos absurdamente equivocados na sua politica econômica, uma politica medíocre que insiste em NÃO usar os fatores de produção de que dispõe o País, não querer usar sua capacidade industrial  ociosa, não tem interesse em investir em infraestrutura apesar das notórias carências, quando a mobilização desses fatores por si só pode eliminar o desemprego, mobilização que atende pelo nome de ESTÍMULOS MONETÁRIOS, colocar mais dinheiro em circulação, como fazem bancos centrais de primeira linha em tempos de recessão.

A usina de geração de boas noticias sobre a economia é o Boletim FOCUS e sua central de retransmissão é o sistema GLOBO, o propósito é cacifar o Ministro da Fazenda como um bom candidato para a Presidencia da República nas eleições de 2018. A prova da campanha é a SIMULTÂNEA geração de boas notícias ao mesmo tempo em todas as emissoras de TV.

Isso é irreal. As noticias econômicas são por natureza conflitantes e diversificadas, nos EUA ou Europa não há um “coro” sacro que fala a mesma coisa de forma coordenada, como no Brasil.

Economia é um campo fértil de discussões, não é catecismo de missa que todos repetem.

Do modo como a economia está hoje enquadrada, o Brasil pode atender o modus vivendi de 30 milhões de brasileiros com razoavel estabilidade econômica MAS não atende e nem tem perspectiva de atender os outros 170 milhões. Ora, uma politica econômica que não tenha como objetivo o total da população não é uma politica de Estado, o Estado é o barco onde estão todos, pobres e ricos, um Estado que funciona para uma parte do Pais não é historicamente viável, não se pode “apagar” ou “esquecer” como se não existissem 4/5 da população que não tem nenhuma estabilidade mesmo em nível de  sobrevivência.

Falta à equipe econômica essa visão do todo, governam para o “mercado” e para aqueles que o mercado atende e esses não são os desesperados que estavam na fila de emprego do shopping no Rio. Quem atenderá esses órfãos da globalização financeira?

A auto congratulação da mídia para ganhos pontuais nas estatísticas econômicas, como se isso fosse o “fim da recessão”, em um coro forçado de “levantamento da moral” do Pais, é um auto engano na melhor das hipóteses. Alguns ganhos microscópicos em determinados índices cuja acurácia metodológica é discutível não tem relevância para a expressão “saímos da recessão”. Há dados mais concreto, por exemplo , a produção de cimento que nos sete primeiros meses de 2017 foi 9,7% menor do que no mesmo período em 2016, ou do consumo de eletricidade no Pais, nos primeiro sete meses foi 2,3% menor do que em 2016 ou no indicador mais brutal, a inesperada  QUEDA DA ARRECADAÇÃO, uma queda que é uma simples derivada da baixa atividade econômica e da queda de vendas das empresas, que provocou uma  surpresa espantosa  do “dream team”, mostra que eles estão longe de ter alguma capacidade intelectual de grandes economistas. Um erro tão primário de “forecasting” é de chamar a atenção para a fragilidade dessa equipe econômica, afinal a queda da arrecadação não foi resultante de fenômenos da natureza, foi o resultado necessário da equação montada pelos próprios surpreendidos onde vale mais o índice de inflação do que vendas e produção, aquilo que produz arrecadação, os grandes fatores da economia real e não as elocubrações do boletim FOCUS, a CARAS do mercado financeiro com suas frivolidades.

Desde a Nova República, mas especialmente depois do Plano Real, o Banco Central foi capturado pela cultura do mercado financeiro e desligou-se por completo da economia produtiva. Todos seus presidentes vieram ou foram para o sistema financeiro e o Boletim FOCUS é o “Diario Oficial” do Banco, tendo como redatores os “economistas de mercado”.

Não se fazem perguntas à indústria ou ao comércio, só aos bancos e seus coligados e a politica do BC passa a ser orientada pelas “expectativas do mercado”, o que significa dizer que é o mercado financeiro quem dirige o Banco Central por fraqueza do sistema politico e da mídia.

A pior equipe econômica da recente história brasileira só poderia produzir o pior resultado que a ferramenta pode construir. A brutal queda da arrecadação se deu pela dramática queda da atividade econômica QUE NÃO tem demonstrado tendência de melhora, como querem fazer crer os GLOBOECONOMISTAS que trazem dados tipo “olha como a inflação está no melhor nível desde 2003, a projeção do FOCUS caiu de 3,38% para 3,16% , dado que o preço do tomate em Recife cai 7,334% e a passagem de ônibus em Belem subiu 5,54%. Seriam cômicos se não fossem trágicos, marionetes de algum bruxo por trás do pano, só um domador com chicote pode fazer homens calejados e moças bonitas a dizerem tantas bobagens, alguns falam com absoluta convicção, como Miriam Leitão, a politicamente correta da economia, comentam seriamente as variações centesimais de índices irrelevantes mostrando como “estão por dentro” da economia mas isso NÃO é economia, a visão do grande economista não é detalhista, é uma visão de conjunto, do todo e de seus efeitos sobre a vida das pessoas.

Porque o FOCUS não traz a produção de cimento mês a mês, um indicador crucial?

Ou porque o FOCUS não dá a expectativa do JURO REAL PARA A ECONOMIA PRODUTIVA, cartão de crédito, cheque especial, crédito para médias empresas?  Só traz  a taxa SELIC, que só interessa ao mercado financeiro. MAS, e na economia real, onde está no FOCUS?

Porque a mídia NÃO questiona isso ao invés de repetir o FOCUS como papagaios?

No programa PAINEL da Globonews de sábado, dia 2 de setembro, foram convidados três comentaristas de idêntica linha, Gesner de Oliveira, da FGV, Zeina Latif, da XP Investimentos e o diretor de uma administradora de fundos, os três identificados com a escola ortodoxa.

Ora, existe uma outra linha de politica econômica com nomes respeitáveis, cito Antonio Correa de Lacerda, diretor da Faculdade de Economia da PUC-São Paulo, Laura Carvalho, professora da USP, Reinaldo Carneiro, da UFRJ,  Paulo Kliass, também da UFRJ. O lógico em um debate é a presença de linhas em contraponto e não de pensamentos únicos. Quem garante que o programa Meirelles está certo? Porque não discutir as premissas desse programa?

Os três debatedores do PAINEL não tem qualquer proposta para sair da recessão a não ser a de um ajuste mais rigoroso, apenas Gesner disse que as taxas de juros poderiam cair “um pouco mais rapidamente”, os outros se calaram a respeito, de resto enfatizaram a linha do “corte-de-gastos com reformas” , falaram de investimentos privados em concessões, saneamento como se isso fosse uma solução e desse círculo fechado de ideias não saíram.

Um País na mais grave recessão de sua história moderna não gera sustentação para amplos debates sobre os rumos da economia, rendendo-se à rasa simplicidade de dois ou três bordões de algibeira, cortes + reformas, Real valorizado e obsessiva obediência às metas de inflação.

Todas essas variáveis são até defensáveis mas há que SEMPRE medir o custo de atingi-las, e é este o debate que não se faz, às vezes é melhor mais emprego e menos fanatismo com metas de inflação, muitas vezes desvalorizar a moeda relança a economia, como já fez a China incontáveis vezes nos últimos 30 anos, na história por vezes um amplo programa de obras de infraestrutura com dinheiro novo vale a pena, o BNDES tem enorme sobra de caixa porque não usar para infraestrutura invés de entregar R$ 280 bilhões ao Tesouro, R$ 100 bilhões já entregues na gestão Maria Silvia e mais R$ 180 bilhões até o fim do mandato em 2018.

Esse retorno de R$ 280 bilhões do BNDES ao Tesouro é uma CONTRADIÇÃO com o alegado crescimento de 4% em 2018, como propaga o cabo eleitoral de Meirelles à Presidencia, o ex-Ministro Luis Carlos Mendonça de Barros. Como vai crescer 4% sem o BNDES apoiando investimentos? E como o BNDES vai apoiar investimento sem dinheiro no caixa?

Devolver tal volume de recursos do BNDES para o Tesouro é jogar na retranca, não no crescimento, é uma confissão de que a recessão deve continuar.

Ousadia muitas vezes é a saída para a economia e não a retranca, mas a ousadia é para os fortes e corajosos, algo que parece escasso na cena brasileira, inclusive na mídia econômica.

Artigo publicado originalmente em http://jornalggn.com.br/fora-pauta/dancando-no-velorio-as-fantasias-da-midia-economica-por-andre-araujo

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 17.11.17.079Festival Samba de Beco, 17 Nov 2017
  • 17.11.17.052II Noite Cultural. Casa Preta. 17 Nov 2017
  • 12.11.17.092Puxadinho MassaLarica. Ano 1. 12 Nov 2017
  • 10.11.17.041Nobreza Vinil Session 2. Lebowski. 10 Nov 2017
  • 04.11.17.218Perc Pam. Lgo da Mariquita. Alb 2. 04 Nov 2017
  • 04.11.17.006Perc Pam. Lgo da Mariquita. Alb 1. 04 Nov 2017

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • Lava Jato_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?