Salvador, 08 de August de 2020
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Sirkis vai embora com as nossas ilusões. Por Moisés Mendes
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Cidadania
Dom, 12 de Julho de 2020 20:23

moises-mendesAlfredo Sirkis morreu no dia em que um general, ocupante da vice-presidência da República, assumia compromissos com empresários ricos para redução no ritmo de destruição da Amazônia.

Na véspera, o general havia prometido a mesma coisa a investidores internacionais. Não são compromissos com o país, com os brasileiros, com os ambientalistas ou com os povos da floresta. São acordos com o pessoal do dinheiro.

E tudo parece muito natural. Sirkis morreu nesse ambiente de destruição e de pressão de homens de negócios, porque o bolsonarismo prejudica seus interesses.

Retrocede-se a abordagens pré-Sirkis. O jornalista havia renovado o discurso ambientalista no Brasil. Foi ele quem politizou o que, quando retorna ao país, nos anos 80, chamavam de movimento ecológico.

Sirkis era uma cara nova, o anjo Gabriel da ecologia, num contexto de militância de mulheres e homens já maduros. Ele é quem amplia o conceito de luta verde, dando sequência ao movimento liderado por gaúchos.

José Lutzenberger, Magda Renner, Augusto Carneiro, Hilda Zimmermann, Giselda Escosteguy Castro, Flavio Lewgoy, Sebastião Pinheiro, Caio Lustosa – todos eles se preocupavam com ar, rios, matas e bichos como uma luta de grupos organizados à margem da política.

Sirkis, inspirado no que via na Europa, ofereceu discurso político à militância. A guerra era pesada, era mais do ecológica, era ambientalista. Amplia-se o conceito e seu alcance. Fundam um Partido Verde.

Hoje, temos restos de quase tudo que veio depois. O Brasil mostra ao mundo o mais trágico retrato da destruição ambiental com o que se passa na Amazônia. Mas deve ser um dos países mais resignados diante dessa destruição.

É desolador. Sirkis, o cara que remoçou a luta ambientalista, viu já como idoso os jovens se mobilizarem no ano passado no mundo todo em defesa da nossa floresta – que eles consideram um bem de todos –, enquanto os jovens brasileiros viam as manifestações de rua pela TV.

O sentimento de que a Amazônia pode ser destruída é hoje muito mais um dilema dos jovens estrangeiros do que brasileiros.

Não temos nada semelhante às mulheres (muitas mulheres) e aos homens maduros que fizeram a cabeça dos jovens no fim do século 20. E hoje não temos jovens que pelo menos tentem imitar Greta Thunberg.

Na quinta-feira, o general Mourão, presidente do Conselho Nacional da Amazônia, disse aos investidores estrangeiros que irá fazer tudo para mudar a imagem do governo em relação à Amazônia.

Mas, entre outras coisas, disse também que índios não precisam de água potável (sonegada por Bolsonaro) porque “eles se abastecem dos rios”. E na sexta-feira disse a empresários brasileiros que o governo vai reduzir o desmatamento ao que for tolerável.

Um dia antes de morrer, Sirkis ficou sabendo por que o governo se nega a fornecer água aos índios. Mas deve ter morrido sem saber que Mourão vai mobilizar esforços para não perder a confiança dos capitalistas.

O Conselho da Amazônia do general não tem representantes do Ibama e da Funai, mas tem 15 coronéis, um general, dois majores-brigadeiros e um brigadeiro.

Mourão e os militares serão tutores de Ricardo Salles, o ministro encarregado de passar a boiada. Salles continua no cargo, porque é dele a tarefa de atender demandas de grileiros, garimpeiros e todo tipo de assassino de índio.

Alfredo Sirkis deve ter imaginado um dia que a Amazônia seria salva pela ação de uma gurizada cabeluda inspirada em ex-guerrilheiros que viraram ecologistas.

A floresta acabou entregue à gestão de homens velhos e fardados, alguns já de pijama, que se aliaram aos desatinos de um governo omisso e conivente com a ação de criminosos.

Os índios que não morrerem com o coronavírus morrerão pelos efeitos da cloroquina que os militares distribuem nas aldeias. Rondon já havia fracassado. A geração de Alfredo Sirkis também fracassou.

Artigo publicado originalmente no Brasil 247

https://www.brasil247.com/blog/sirkis-vai-embora-com-as-nossas-ilusoes

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.396Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.321Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.183Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.031Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.162Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.118Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Aves de Rapina_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?