Salvador, 21 de setembro de 2017
Acesse aqui:                
facebookorkuttwitteremail
Anos de ouro no Central. Por Luiz Afonso Costa
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Sex, 08 de Setembro de 2017 23:51

Luiz_Afonso_CostaImpossível resistir. Provocado pelo querido e beletrado amigo Jorginho Ramos, descarreguei parte da memória do Colégio Central, quando a mola da contracultura e da resistência à repressão distendeu-se em duplo disparo. Aí vai o texto:

No Colégio Estadual da Bahia, o Central, entre 1967 e 1969 descobri a militância política, a fraternidade democrática, a boemia (no Mercado Modelo original, queimado pouco depois, desfrutei batidas e lambretas no box do Fênix), entrei de cabeça na contracultura (Caetano lançava Alegria Alegria e eu circulava nas discotecas pedindo pra botar Satisfaction), filava aula pra ver matinê no cine Guarani, conversava com Juca Ferreira e Betica, Caminha, Joviano, Doris Serrano e tantos outros, encantei-me com Maiakovski, Evtuchenko e Sartre, sabotei a chapa adversária nas eleições para o Grêmio botando cedilha na inicial do nome dela - Central, dirigi a ala de criação "revolucionária" no galpão no fundo do Central e pratiquei tiro com badogue e bolas de gude tendo como alvo um PM esboçado na parede, havia sorrisos primaveris e promessas por toda parte antes que a ditadura fechasse a tampa do caixão em 69; empunhei em passeata na avenida Joana Angélica o mastro direito (sentido geográfico, por favor) de uma faixa cujos dizeres não esquecerei - "Estudante não dialoga com a ditadura", ousei pedir para o desavisado balconista de uma loja de discos na Misericórdia que colocasse a vilipendiada "Pra não dizer que não falei de flores" ou Caminhando e cantando, como queiram, com os olhos ardendo de gás lacrimogêneo e o pau quebrando lá fora, saí em foto na primeira página d'A Tarde correndo (rss) das fantas dos milicos. Me apaixonei perdidamente por uma bela mulher (ela sabe, e acabou casando com outro) e não ousei declarar-me, mas saí de mãos dadas com ela depois de umas batidas de limão no Terreiro, em sequência às refregas com a polícia; declarei-me enfim a ela numa saveirada à lua cheia com o mote "quem ama não cai", quando alguém me advertiu que eu cambaleava na borda (neste bordejo um companheiro se jogou nas águas e por pouco Yemanjá não o levou); fui retirado pela icônica Teresão (irmã de Bete Capinan) de uma reunião partidária barra pesada (onde se aplaudia estalando os dedos para não chamar a atenção) porque o partido não me considerava maduro (tinham razão e isso me salvou da barra pesada que pintou logo à frente - não festejo isso, apenas relato), enfim no Central minha mãe, duas décadas e tanto antes, também saiu na capa d'A Tarde como destaque no time de basquete e a tia-avó dela descobriu sua atividade clandestina), enfim o Central será sempre o Central para quem nele imergiu e para quem nele se formou, tantos que foram, confirmando que a Educação e a Cultura são os repertórios indispensáveis para sair do atraso, da ignorância e da monofasia partidária mentirosa. Que o digam a Coréia do Sul - e o Japão, onde o único cidadão dispensado de se curvar ante o Imperador é o professor. Que viva o exemplo do Central.

A imagem pode conter: 1 pessoa


Compartilhe:

 

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 17.09.17.021Lançamento do I Festival de Itaparica. 19 Set 2017
  • 19.9.17.063Sarau da Casa da Mãe. 19 Set 2017
  • 16.9.17.024Lebowski Pub e Borracharia. 16 Set 2017
  • 16.09.17.090Aniversário Keko Pires. Qattro. 16 Set 2017
  • 13.09.17.050Coleção Kalunga de Monica Anjos. 13 Set 2017
  • 09.09.17.088Festa Africana. Casarão do Lord. 09 Set 2017

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Impeachement_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?