Salvador, 11 de May de 2021
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Erro
  • Your server has Suhosin loaded. Please follow this tutorial.
Eu gosto do meu cabelo por Diony Maria Oliveira Soares
Ajustar fonte Aumentar Smaller Font
Comportamento
Qua, 06 de Agosto de 2008 04:53
Cabe somente a nós mesmos, mulheres negros e homens negros, buscarmos a fórmula adequada para a nossa própria representação.   Dia desses uma pequenina nota com apenas 108 palavras, divulgada na versão digital de um veículo da grande imprensa brasileira aparentemente com a pretensão de abordar o complexo tema "o poder do cabelo", mereceu muitos comentários de internautas. Mulheres e homens ora posicionaram-se a favor dos termos utilizados para a redação, ora teceram críticas por considerá-los discriminatórios.

Ainda que isto possa soar antipático, não vou fornecer maiores detalhes nem da nota nem dos comentários. Assumo tal decisão por entender que, sendo um veículo de comunicação a serviço dos afro-descendentes, convém sintonizar com a reflexão de Stuart Hall (2000) para a relação da identidade cultural com as questões: "'quem nós podemos nos tornar', ‘como nós temos sido representados' e ‘como essa representação afeta a forma como nós podemos representar a nós próprios'". Hall argumenta que a fala ocorre sempre a partir de uma posição histórica e cultural específica, sendo fundamental levar em conta quem fala e qual é a representação que advém desta fala.

Ou seja, cabe somente a nós mesmos, mulheres negras e homens negros, buscarmos a fórmula adequada para a nossa própria representação. A grande mídia brasileira definitivamente não fará isso. Regra geral, explicita Muniz Sodré (1999), o discurso midiático catalisa expressões políticas e institucionais sobre as relações inter-raciais a partir de "uma tradição intelectual elitista que, de uma maneira ou de outra, legitima a desigualdade social pela cor da pele"; modela as atitudes discriminatórias e desempenha "papel central tanto na produção quanto na reprodução do preconceito e do racismo".

Pois bem, voltemos ao tema abordado pela tal notinha do tal veículo da grande mídia. Segundo Nelma Lopes Cardoso (2007), "mais de 70% dos brasileiros têm cabelos crespos, que vão do encaracolado ao mais crespo". Um dado bastante significativo, uma vez que vários estudos consideram que o cabelo é um dos pontos mais vulneráveis no corpo negro.

Tal consideração me fez lembrar de três episódios que vivenciei tendo o meu cabelo crespo como protagonista. O primeiro ocorreu na minha infância quando, ao chegar à escola com os cabelos recém-alisados a frio com aquelas famigeradas pastas, fiz uma simples alusão a tal prática e isso gerou o desconforto e a mudez das colegas. Naquela época, idos 70 do século XX, talvez o assunto fosse tabu e não pudesse ser comentado entre meninas.

O segundo diz respeito a minha vida profissional e aconteceu no início dos anos 90, quando o editor-chefe de um jornal localizado em município da Serra Gaúcha, no qual eu trabalhava como subeditora, achou que tinha o direito de criticar o meu cabelo em plena reunião de pauta. Eu estava chegando à redação do jornal recém-saída de um salão de beleza (corte, hidratação e penteado). O cabeleireiro havia me incentivado a "assumir os crespos". Incomodado, o editor me recomendou: "você deveria prender esse cabelo".

Já o terceiro ocorreu em 2006, na casa de uma mulher negra idosa e pobre que, quando me viu com os cabelos crespos naturais amarrados para cima por um lenço colorido, reclamou mal-humorada: "não adianta você se arrumar, com este cabelo sempre vai parecer uma mendiga". Nessas três ocasiões, lembro nitidamente, eu estava me sentindo bem bonita.

Tais lembranças incitaram-me a resgatar abordagem de Nelson Inocêncio (1999) sobre as relações raciais e implicações estéticas, na qual este professor explicita que a palavra estética "deriva de ‘sentir', mais especificamente das formas de sentir", e destaca que, no Ocidente, o dispositivo estético proporcionou uma "relação maquiavélica entre a cultura hegemônica e culturas emergentes", tendo em vista o componente racial.

Segundo Inocêncio, "existe no Brasil um padrão estético que nega o perfil multirracial do país", sendo que "a divulgação desse padrão condiciona a sociedade a pensar, a se comportar e a almejar vitórias no campo simbólico e até material que esbarram nesse limite".

Assim, ao lembrar que historicamente esta construção discursiva está relacionada com as ambições do processo de colonização desencadeado pelos europeus, o professor sustenta que "o olhar europeu em relação aos africanos e aos ameríndios não foi um olhar casual, mas causal", o que resultou em dicotomias, nas quais "noções de bem e mal, bonito e feio, nobre e vulgar são definidoras do status cultural".

Ou seja, a manutenção de uma condição privilegiada de poder depende de dispositivos que impedem (tentam impedir) aqueles que podem contestar tal privilégio de perceberem o seu próprio potencial de contestação e, consequentemente, de poder resistente.

A lista de dispositivos neste sentido é grande. Em relação ao tema deste artigo, entre outras coisas, para manter a dominação "os mesmos" precisam insistir na pregação de crendices para baixar a nossa auto-estima: juram que somos feias (os). O jogo é assim e não há como escapar dele. Urge aprender a jogar com maestria.

Mais uma lembrança surge à tona. Um trecho de uma canção escrita por Cristiane Sobral para a peça teatral Uma boneca no lixo, a cuja estréia tive a felicidade de assistir em 1998, em Brasília: "quero viver em paz com meu cabelo / eu tenho muito zelo com meu cabelo / qual será o preconceito / porque você quer me ver sempre do seu jeito / de entender, de saber [...] eu gosto do meu cabelo / eu gosto desse meu zelo / do zelo por mim".

Eu também, Cristiane. Eu gosto desse zelo por mim. Eu gosto do meu cabelo.     Dione é Jornalista, especialista em Antropologia Social e mestra em Educação/UFPel
Referências:

BRESSER, D. O poder do cabelo. O Estado de S. Paulo digital. Blog da revista. Seção: Beleza. (www.estadao.com.br) 18.03.2008.

CARDOSO, N. Cosmética étnica. Brasília: Ìrohìn. ano XII, n.19, março/ 2007. p.23.

HALL, S. Quem precisa de diferença? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença; a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p.109.

INOCÊNCIO, N. Relações raciais e implicações estéticas. In: LIMA, Ricardo Barbosa (org.). 50 anos depois; relações raciais e grupos socialmente segregados. Goiânia: Movimento Nacional dos Direitos Humanos, 1999. p.21-35.

SOBRAL, C. Uma boneca no lixo. Texto para representação teatral. original fornecido pela autora. 1998. SODRÉ, M. Claros e escuros; Vozes,1999. p.243-244. identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes,1999. p.243-244.   Artigo publicado originalmente em www.irohin.org.br

Compartilhe:

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

O MELHOR DO ALDEIA NAGÔ NO SEU EMAIL

CADASTRE-SE EM NOSSO NEWSLETTER:

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.457Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.309Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.225Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.062Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.235Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.136Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

Mais galerias de arte...

HUMOR

  • A Justiça brasileira_1
  • Categoria: Humor
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?