Salvador, 17 de August de 2022
Acesse aqui:                
Banner
facebookorkuttwitteremail
Exposição
Calendário de Eventos help
Mês anterior Dia anterior Próximo Dia Próximo Mês
Ver por Semana Veja Hoje Buscar
Exposição "Barroco Sertanejo" de Stênio Burgos
Quarta-feira 25 Maio 2022, 09:00 - 18:00

Acessos : 2290

A Caixa Cultural Salvador inaugura, no dia 18 de abril, às 19h, a exposição Barroco Sertanejo, mostra individual do artista cearense Stênio Burgos, com curadoria de Denise Mattar. A mostra abriu a programação da Caixa Cultural São Paulo, em janeiro, e segue em itinerância na Caixa Cultural Salvador e, a seguir, nas unidades da Caixa Cultural de Recife e Fortaleza.  

O título da exposição Barroco Sertanejo surgiu de uma conversa entre o artista e a curadora, e é uma síntese precisa da dualidade de Burgos, criado entre o calor da baianidade de sua mãe e a severidade do sertão cearense de seu pai. Nas palavras de Mattar: “Seu trabalho reúne o risco duro e a exuberância cromática, a economia do traço e a profusão da tinta, a contenção e o excesso.”

Embora apresente majoritariamente obras realizadas entre 2020 e 2021, a exposição se reveste de um caráter retrospectivo, pois alinha em conjuntos, as principais pesquisas do artista. Assim, podem ser vistas suas paisagens de 2003 a 2021, elaboradas através de uma pintura-desenho delineada em traços rápidos e vigorosos, construídos com espessa materialidade. São riscos e rabiscos saídos do tubo de tinta, que se projetam sobre o fundo criando uma espécie de baixo-relevo, dando à paisagem dinamismo e leveza.

Outra vertente de sua produção é a pesquisa sobre a linguagem da cor, que resulta em intrigantes escalas cromáticas, quase instalações, constituídas por conjuntos de pequenas pinturas, ou grandes painéis de tecido, formando graduações colorísticas precisas, ou acasos que se transformam em constelações.

A forte influência da Holanda, país no qual Stênio morou por longos períodos entre 2004 e 2019, também se faz presente na mostra, através do desafio que o artista fez para si mesmo de pintar buquês de flores da estação, um a cada semana, mês a mês. A pesquisa se transformou numa constante de sua produção e, aos buquês, acrescenta com frequência os símbolos de fé da nossa gente: imagens devocionais e santos protetores, Jesus e Maria, São Jorge e Iemanjá, deuses ibéricos e africanos. Uma mistura improvável do sincretismo brasileiro e o colorido floral europeu, com traços de nostalgia e lirismo.

A exposição se encerra com as Cartas do Confinamento, produzidas em 2020, quando Stênio se isolou na sua casa, na praia de Amontada. Um forte momento de reflexão sobre a solidão e a finitude humanas, que podem ser vistas nas séries: A Invenção da Solidão e Ensaio sobre a Cegueira, e também no painel Odisseia, uma grande pintura in progress, que se renova continuamente.

SOBRE O ARTISTA

José Stênio Burgos de Macedo nasceu em Crateús, em 11 de abril de 1954, filho do médico cearense Francisco Sales de Macedo, e da baiana Sonia Belo Burgos. Desde criança gostava de desenhar, e veio daí sua opção por estudar Arquitetura, que cursou na Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza. Ainda como estudante viajou para Paris, onde visitou os museus, impregnando-se de Arte. Na volta, começou a trabalhar no Banco Central, e após sua formatura, em 1978, conseguiu uma transferência para o Rio de Janeiro.

Nesse período teve intensa convivência com artistas como Paulo Roberto Leal e Alex Vallauri, entre outros; assistiu à luta pela mudança política, a agitação, o frenesi e a festa da Geração 80; mas nada daquilo combinava com seu trabalho. Pediu demissão em 1982, e voltou para o sertão. Foi um momento de recolhimento, de busca interior. Um movimento de solitude que repetiria algumas vezes em sua vida, como um recurso de renovação.

De volta ao Rio participou, como arquiteto, de um grupo de estudos prospectivos sobre futuros possíveis, organizado pelo Clube de Roma. Na contramão das formulações acadêmicas, Stênio Burgos apresentou suas reflexões sob a forma de um caderno contendo desenhos, poemas e pensamentos, ao qual deu o nome de Realtopia. Uma proposta de unir realidade e utopia, sem ocultar fatos ou criar fantasias. Nas páginas do caderno estão contidas observações afetivas, diagnósticos sensíveis e considerações sobre a sociedade de consumo, que é vista como um circo, e descrita com humor rascante. A proposta lhe rendeu um convite para estudar em Barcelona, onde permaneceu por três anos.

De volta ao Ceará, em 1987, conviveu estreitamente com a arte através do olhar sensível da amiga Myra Eliane.  Nesse período sua criatividade se expressava na arquitetura, na criação de interiores, no garimpo de objetos e na seleção de obras de arte. A busca pelo raro e exclusivo o levou ao extremo sul do país, onde teve fundamental encontro com mestre Iberê Camargo e sua pintura forte, densa, carregada de presságios, prenhe da energia das tintas que se acumulam jorrando diretamente do tubo. Em 1998, aconteceu a ruptura e a epifania. Stênio saiu da cidade e isolou-se na praia. Levado por uma paixão, mal sabia que viria a ser subjugado por outra; mais poderosa, mais absorvente e mais imperativa – a pintura. Em 2004, o artista apresentou sua primeira grande exposição individual: “Terras e Céus”, na Galeria Tina Zappoli, em Porto Alegre.

Desde então participa do circuito cultural cearense e holandês. Entre suas exposições individuais destacam-se: “Os Jardins de Nice por Stênio Burgos”, Museu do Ceará, 2006, “Stênio Burgos (Brazilië)”, Centre for Latin American Research and Documentation, Amsterdã,  2009, “Colorido Rozengracht”, Galerie Overstrom, Amsterdã, 2015, “Sertão Holandês”, Museu do Ceará, 2017, “Manuale di Calligrafia e Pittura, Centrum Sete Sóis Sete Luas, Pontedera, Itália, 2018, “À Flor da Pele”,  Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, MAUC, 2019, Realtopia – Exposição retrospectiva, Espaço Cultural Unifor, Fortaleza, CE, 2020.

STÊNIO BURGOS - BARROCO SERTANEJO

De 19 de abril a 19 de junho de 2022

ITINERÂNCIA

- CAIXA Cultural Recife – 4 de julho a 11 de setembro

- CAIXA Cultural Fortaleza – 26 de setembro a 20 de novembro

Serviço:

Local: Caixa Cultural Salvador

Abertura: 18 de abril, às 19h

Período expositivo: De 19 de abril a 19 de junho de 2022

Endereço: R. Carlos Gomes, 57 - Centro, Salvador

Horário: Terça a domingo, das 9 às 18h

Informações: (71) 3421-4200

Contato  (71) 3421-4200

Valor Acesso Grátis

Abertura: 18 de abril, às 19h. Período expositivo: De 19 de abril a 19 de junho de 2022. Horário: Terça a domingo, das 9 às 18h

Localização  Caixa Cultural Salvador - Centro
Rua Carlos Gomes, 57 - Centro
Brasil/Bahia/Salvador
40060-330
(71) 3421-4200

Compartilhe:

Voltar

FOTOS DOS ÚLTIMOS EVENTOS

  • 24.02.2020.469Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 4. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.303Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 3. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.168Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 2. 24 Fev 2020
  • 24.02.2020.088Desfile Ilê Aiyê. C Grande. Alb 1. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.175Mudança, Magary, Motumbá. C. Grande. 24 Fev 2020
  • 24.02.20.138Didá & Respeita as Minas. Campo Grande. 24 Fev 2020

Parabéns Aniversariantes do Dia

loader
publicidade

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS

GALERIAS DE ARTE

HUMOR

  • Abertura das Olimpiadas_1
  • Categoria: Charges
Mais charges...

ENQUETE 1

Qual é o melhor dia para sair a noite?
 

Compartilhe: